4° Chakra | Chakra Cardíaco, do Coração ou Anahata

O DIREITO DE AMAR E SER AMADO

Sentimentos, Parcerias, Amor, Perdão e Confiança. Do Julgamento Para a Aceitação.

O Chakra Cardíaco tem a ver com o amor: o humano-condicional e o divino-incondicional. A capacidade de abrir mão dos pactos de vinganças, de perdoar, de amar e ser amado é despertado neste chakra. Neste chakra acontece a ponte do egoísmo para o altruísmo. Chakra da família aonde carregamos ancestrais e descendentes aonde temos as memorias de perda da inocência e carregamos crenças distorcidas sobre o amor. A busca das parcerias de propósito em vez de suprir carências. Chakra que rege o periodo de 21 a 28 anos e 70 a 77 anos. Palavra-chave: RELACIONAMENTOS.

O Chakra Cardíaco vibra na frequência das cores verde e rosa e está diretamente ligado ao coração – sangue, nervos, vasos sanguíneos e sistema circulatório – e sistema respiratório bem como a glândula timo, que está ligado ao nosso sistema imunitário. Ele determina a saúde e a sua força. O tato é o sentido que corresponde diretamente a este Chakra. Sua tarefa é unir em harmonia os três chakras inferiores e os três chakras superiores, resultando em harmonia e sabedoria plena. Ele é o mediador entre o corpo e o espírito, é chamado como a porta da alma ou morada da alma.

Este chakra é o centro responsável por equilibrar as energias opostas de yin e yang. Através do coração, podemos conscientemente explorar o casamento alquímico do masculino e do feminino, ou o que Jung chamou de “animus e anima”. somos capazes de experimentar as manifestações dessas duas energias: a luz e a escuridão, dar e receber, ativo e passivo, extrovertido e introvertido. Podemos aprofundar esta experiência ainda mais dançando as  energias arquetípicas do masculino e do feminino que, quando reprimidas, revelam-se pelo sentimento de estar desconfortável ou distraída(o).

Analisando profundamente os Chakras, percebe-se que os centros de energia Umbilical, Esplênico e Básico regem os processos mais instintivos e primitivos. Já os Chakras superiores (Laríngeo, Frontal e Coronário), localizados acima do coração, têm relação com a expressão, a intuição e a criação. Desse modo, o Chakra Cardíaco é o ponto de equilíbrio entre o instintivo e o intuitivo.

Como sustentar o coração aberto

Como manter a chama da conexão acesa

Como se relacionar sem gerar sofrimento

Harmonia

  1. Perdoamos a nós mesmos e aos outros.
    “Uma pessoa que perdoou é uma pessoa que atravessou a dor.”
    Porque ainda não é possivel perdoar?
  2. Conseguimos sentir que as pessoas e tudo a nossa volta são nossos semelhantes.
  3. O amor incondicional, a compaixão, a unidade e a empatia acontecem com naturalidade
  4. Habilidade de dizer sim para a vida. 
  5. Potencial de mudanças e curas. Mas para chegarmos no seu potencial máximo, precisamos estar com os outros seis chakras em total harmonia.
  6. Abertura e expansão, um convite para suavizar  o coração. A suavidade movimenta a energia do amor e da compaixão, que dissolve  a dor encravada no coração.
  7. Conforme o coração vai despertando, podemos começar a experimentar a verdadeira e real conexão com os outros, iniciando relacionamentos saudáveis e amorosos.
  8. Quando o chakra do coração é equilibrado e aberto, podemos começar a nos movermos em direção a esse estado maravilhoso de Ser que os budistas descrevem como “bondade”. Neste estado de não-julgamento dos outros e de si mesma(o), vive-se uma vida cheia de generosidade e vê-se a bondade inerente de todos.

Desarmonia

  1. Quando este chekra é bloqueado, não conseguimos amar; não nos sentimos amados; não temos alegria e nos sentimos separados do nosso Eu Real e das pessoas. Nos separamos do fluxo do amor.
  2. Dificuldade em perdoar; muitos julgamentos e críticas severas relacionadas inclusive a própria pessoa. Também gera hostilidade, egocentrismo, ressentimentos, medos profundos, amarguras.
  3. Os problemas de saúdes relacionados a este chakra são: respiratórios, cardíacos, asma, alergia, problemas nos pulmões e nas mamas, dores nas costas e nos ombros.
  4. Em um nível físico, os ombros são frequentemente curvados na tentativa de  tentar proteger o coração.

Falta de Energia

  1. A pessoa cede demais a partir do medo de não ser aceita ou de não pertencer.
  2. Carência; há uma necessidade desesperada e exigente de amor. Como ir além da carência.

Energia em excesso

  1. Autoritarismo nos relacionamentos. O amor ao próximo torna-se altamente condicional se manifestando como ciúme, desconfiança e possessividade.
  2. Fome primordial por uma conexão com os outros.
  3. Codependência.

Como Melhorar o Funcionamento do Chakra do Coração

Em primeiríssimo lugar devemos voltar nossa atenção para limpar as emoções negativas como mágoas, manipulações, descrença, desconfiança na vida, mentiras, rejeição, medo de sofrer, perdas, castigos, vinganças e muito mais. Ou seja recuperar oschakras inferiores e os superiores.

Para facilitar, este plano inicial devemos fazer uma limpeza energética com um bom profissional, onde a integração e potência do 4º chakra possa ser despertada. Feito isso, podemos começar um caminho de auto investigação para reconhecermos como ações, pensamentos e desejos, podem estar limitados aos nossos registros passados em relação às nossas carências. A inconsciência e a falta deste autoconhecimentoestá desenergizando seu centro de energia vital.

Estas experiências limitantes e passadas costumam ser reeditadas em várias áreas da vida e isso pode e deve ser mudado. O poder pessoal de amar e ser amado é despertado neste Chakra.

Bons pontos que devem ser questionados, para começarmos a autocura, é:

  • ” Eu me amo?” ou “Porque não me sinto amado(a) por mim mesma?”

Outras questões

  1. Como eu me relaciono? Cedo demais ou sou autoritaria e mandona?
  2. Como me sinto em relação ao perdão?
  3. Confio em mim?
  4. Sou amoroso comigo e com tudo a minha volta?
  5. Estou muito carente? Eu ajo nas relaçoes a partir do amor ou da carência?
  6. Ainda estou reprimindo sentimentos e atitudes amorosas? Por quê?
  7. O que pode estar se perpetuando nas minha relações que reconheço ser uma crença do passado?
  8. Aceito com facilidade a vontade do outro? Faço só a vontade do outro e me esqueço de mim?
  9. Dou carinho, atenção e respeito para as pessoas em geral? E para mim?
  10. Quais sentimentos amorosos e positivos não estou nutrindo sobre mim?
  11. Será que posso e me permito escolher fazer diferente? Como seria isso?
  12. Tenho tido compaixão ou saio julgando tudo e todos, inclusive as partes em mim que não aceito?
  13. O que estou colhendo com meu comportamento?
  14. Como posso ser mais criativo nesta autoinvestigacão?
  15. Você é capaz de amar a si mesma(o) como você é, ou você coloca certas condições?
  16. Quantas vezes você mostra o seu apreço por aqueles ao seu redor?
  17. Recebo carinho, elogio e presentes com facilidade? Se não, Por quê?
  18. Amo o outro mesmo que ele não concorde comigo?
  19. Você reprime seus sentimentos? Sente como se estivesse segurando sentimento de tristeza? Por quê?
  20. Você tem sentimentos de ódio ou ressentimento em relação a alguém em sua vida? Se assim for, o que você pode fazer para encontrar perdão para esta pessoa e livrar-se dessa velha ferida?
  21. Que aspectos de si mesmo você renega? O que você pode fazer para recuperar esses aspectos de si mesmo?

O Quarto Princípio

Alinhar a nossa vida com o “Quarto Princípio”  irá aumentar a nossa vibração energética e nos sintonizar com o ritmo de Anahata.

  • Veja além do comportamentos das pessoas e enxergue através do EU Real.
  • Viva a sua vida da maneira mais generosa e aberta que você puder.
  • Viva conscientemente a sua vida com integridade e autenticidade.
  • Saiba que a compaixão não significa que você tem que consertar as coisas; apenas esteja presente para uma outra pessoa no processo de cura dela.
  • Faça o seu melhor para não julgar os outros. Se você está julgando alguém, respire em seu coração e deixe que o julgamento vá embora com a expiração.
  • Reflita esta citação de Tolstoi em “Guerra e Paz”: “tout comprendre c’est tout pardonner” ou seja, “compreender tudo é perdoar tudo”.
  • Esteja consciente de demonstrar bondade, compaixão e generosidade para com todas as pessoas que você encontra em sua vida. Não se limite apenas a sua família e amigos.
  • Lembre-se de demonstrar compaixão e bondade para si mesma(o). Devemos amar a nós mesmos, antes de podermos amar verdadeiramente os outros. Mas amar não é autopiedade e se enganar. Encare suas falhas mas saiba que elas são temporarias e faça movimentos em direção à mudança.

Os Arquétipos de Anahata

Os arquétipos que você vai encontrar dançando o chakra do coração são: o(a) “Amante da Vida”, como energia positiva;   o(a) “Hipócrita”,  como energia negativa.

Amoroso

Às vezes eu chamo de despertar do amor, às vezes de desvendar do amor. Percebo que essas duas formas expressam diferentes ângulos do fenômeno. É como se o amor, que é um sinônimo para o Eu maior que nos habita, estivesse adormecido e sonhando um sonho de separação e dualidade. Nesse sonho somos o personagem que está preso ao script da sua história. Por isso, muitas vezes falo em “despertar” – acordar desse sonho. Mas às vezes também falo em “desvendar”, porque é como se houvessem capas cobrindo a verdade de quem somos. Tais capas são feitas de um conjunto de pensamentos que compõem essa nossa história e todos os mecanismos de defesa que são criados a partir dela. Conforme vamos trabalhando para despertar o amor, vamos removendo as capas. Primeiro removemos as mais superficiais, que são as máscaras, depois as mais profundas, até que tocamos o núcleo de dor e podemos revelar, então, a verdade de quem somos, o que é sinônimo de manter o amor acordado. Quando pode manifestar seus dons e talentos no mundo através de um trabalho, de uma profissão, você sente um grande alívio. Isso é fundamental para a vida humana porque, se você acorda pela manhã sabendo que é para fazer o que gosta, sentir alegria é natural. Mas a profissão é apenas uma parte (uma grande parte), uma das dimensões do propósito. Esse alinhamento da profissão com o propósito garante que você se sinta preenchido por um tempo. Mas, muitas vezes, o seu propósito, assim como os seus dons e talentos, se desdobram.

O Falso Eu

“A mente é um fluxo de pensamentos que nasce a partir da ideia de eu. O ego, ao encarnar em um corpo, cria um eu para poder sobreviver; e a partir dessa ideia de eu, pensamentos são criados. A ideia de eu gera a ideia de meu, e a partir desse binômio eu-meu, nascem todas as outras formas de pensamento. Um mundo inteiro é criado para sustentar essa falsa identidade. Por isso, no universo do yoga, costuma-se dizer que é preciso acessar o estado de ‘não-mente’; pois a mente está identificada com esse mundo ilusório criado pelo falso eu. “Enquanto houver o falso eu atuando no seu sistema, ele lhe será mostrado através do outro. A irritação, o incômodo, a impaciência e a intolerância são alguns dos indícios da sua identificação com o falso eu. Então você usa o relacionamento como material de escola para o seu aprendizado e crescimento.”

Como se da a morte do falso eu

Como é a transformaçao do falso eu

Portais  para Anahata

Assim como a nossa respiração nos leva diretamente para o nosso Chakra Cardíaco, há também muitos símbolos que, quando invocados, podem nos guiar até a beleza do coração.

A. Afirmações (com EFT)
  • Eu amo e sou amada(o).
  • Eu perdôo naturalmente e facilmente.
  • Eu dou e recebo amor livremente.
  • Meu coração é pleno.
  • Eu acolho a diferença entre as pessoas.
  • Curar faz parte da minha natureza.
  • Eu tenho muito a agradecer.
  • O amor que eu dou volta para mim muitas vezes.
  • Eu estou em paz.
B. Cor

O Chakra do Coração ressoa na freqüência da cor verde. Rosa pink também é uma cor freqüentemente associada ao coração. Verde equilibra, refrigera e tem qualidades curativas. O verde impulsiona novo crescimento, mudança e transformação. Ele representa a esperança e a alegria.

Durante esta semana, perceba as cores verde e rosa ao seu redor e, conscientemente, traga  essas cores para a sua vida. Utilize essas cores em tons que você sente que sejam curativas pra você, ou coloque-as em seu quarto. A Natureza está refletindo estas cores em todo nós; sintonize-se e respire a força da vida.

C. Arcanjo, Elohin e Mestre

Arcanjo: Samuel (princípio masculino). Claridade (princípio feminino).

Elohin: Orion (princípio masculino) Amor Divino. Angélica (princípio feminino) Amor Supremo.

Mestre (Chohan): Paulo Venesiano (princípio masculino) e Lady Rowena (princípio feminino).

Raio: 3° – Rosa.

Corpo: Eletrônico.

Virtudes: Amor divino, pureza, beleza, opulência, coesão.

Desenvolve: Amor divino, tolerância, adoração, unidade, fraternidade, benevolência.

Pertence: Pacificadores, arbitros e artistas.

Caracteristicas seres não evoluidos: Amor carnal possessivo, distorção da sensualidade, libertinagem, desequilíbrio psíquico.

Prece: Arcanjos Samuel e Caridade, peço-lhe que harmonize meu 4° chakra, peço-lhe para entrar no meu coração, peço-lhe para abrir e equilibrar no Divino alinhamento, todas as camadas desse centro. Transmute, limpe e ilumine todas as energias que não forem compatíveis com meu bem maior.

D. Planeta

Vênus é o planeta do chakra do coração e está associada ao amor e aos relacionamentos. A deusa romana Vênus encarna a harmonia, a paz e a beleza. Vênus é muitas vezes referida como a manhã ou à estrela do anoitecer. Ela pode ser solar ou lunar e representa a união dos opostos – ela segue a lua e precede o sol.

E. Divindades
  1. Kuan Yin é a deusa da misericordia, da compaixão e do perdão. Ela nos mostra através da chama do perdão como nos libertar de toda dureza do coração e nos ensina a termos compaixão por todos. Seu canto é “Om Mani Padme Hum”. Em sânscrito é Avalokiteshvara, na China é Kuan Yin ou Kuan Shih Yin, no Japão é Kannon e no Tibete é Chenrezig. Kwan Yin precedeu o Mestre Ascenso Saint Germain como Chohan (Senhor) do Sétimo Raio de Liberdade, Transmutação, Misericórdia e Justiça e ela é uma de sete Mestres Ascensos que atuam no Conselho do Carma, um conselho de justiça que medeia o karma das evoluções de terra – dispensando oportunidade, misericórdia e os verdadeiros e íntegros julgamentos de Deus a cada corrente de vida na Terra. http://www.margaridafonseca.com/deusakwan.htm
  2. Iansã ou Oya é a deusa iorubá do vento. Ela exige que os velhos hábitos que emperram nossas vidas sejam entregues a ela para que sejam levados para longe e a mudança seja iniciada. Iansã é o esteriótipo perfeito da mulher guerreira, que não tem medo de se arriscar e mudar caso julgue necessário, que sai todos os dias à batalha e não tem receio de lutar, quem espera pela ajuda de Iansã, encontrará em sua essência garra e coragem para vencer na vida e alcançar os seus objetivos. https://www.iquilibrio.com/blog/espiritualidade/umbanda-candomble/tudo-sobre-iansa-oya/
  3. Kakini  é a Shakti de quatro cabeças que reside no Chakra do Coração. Ela se senta em uma flor de lótus rosa e é a personificação da consciência mais elevada. Ela inspira as artes visionárias, a música, a poesia e a dança. Sua arte é pura e vem direto do coração. Meditar sobre ela traz equilíbrio para o corpo, mente e emoções.
F. Criaturas

A pomba branca e todas as aves estão associados com o chakra do coração, assim como o cão e gazela.

A pomba é um símbolo da alma passando de um estado para outro. É o espírito de luz, inocência, suavidade e paz. Duas pombas juntas são um símbolo do amor conjugal e da fidelidade. A pomba com um ramo de oliveira é um sinal de paz e renovação da vida.

As gazelas, veados e antílopes na tradição cristã representam a alma fugindo de paixões terrenas. Na tradição islâmica, a gazela é um símbolo de estados espirituais.

O cão é um símbolo de fidelidade, proteção e amor incondicional. Ele é um defensor das fronteiras entre as dimensões. Na mitologia grega, Cerberus era o cão de três cabeças que guardava os portões do inferno (ou mundo dos mortos) e atuou como um guia espiritual. Na tradição celta, o cão está associada com a cura e acompanha o deus da cura, Nodens.

G. Árvores

As macieiras, as cerejeiras, as murtinhas e as oliveiras.

A macieira é um símbolo de saúde, amor, conhecimento, alegria e sabedoria. A forma circular da maçã representa a unidade e a totalidade. Na mitologia grega, a maçã era sagrada para Vênus assim como o amor e o desejo. Na China, a macieira é um símbolo de paz e beleza.

A árvore de cereja é um emblema nacional na China e no Japão, assim como um símbolo da primavera, juventude e feminilidade. Como a cerejeira tem flores antes de suas folhas, essa árvore simboliza os seres humanos que nascem nus ao mundo sem posses. No cristianismo, é o fruto do paraíso e dos bem-aventurados.

A murta é associada à alegria, à paz, à tranquilidade e à felicidade. É a flor dos deuses. É sagrada para Vênus e para a deusa egípcia Hathor. Ela é um símbolo de vida e renascimento.

A oliveira é um símbolo de paz, fecundidade e de imortalidade.

H. Ervas

O amor incondicional para si e para os outros pode ser reforçado ao ingerir Bagas Hawthorne. Chá ou tintura de Bagas aumenta a confiança no processo da vida e a segurança para ouvir e seguir o seu coração. Outras ervas que são conhecidas pelas propridades curativas para o coração são a equinácea, tomilho e verbena.

I. Cristais

Esmeralda, verde jade, malaquita e quartzo rosa têm o efeito de equilibrar o chakra do coração. Emeralda invoca harmonia e tranquilidade enquanto jade simboliza a lealdade, harmonia, paz e fidelidade. Malaquita é útil para o desenvolvimento espiritual. E o quartzo rosa, libera bloqueios emocionais.

J. Os óleos essenciais

Rosa, camomila, jasmim, ylang ylang e pau-rosa são bons para o equilíbrio emocional. Eucalipto, hortelã-pimenta, sândalo e alecrim são os óleos essenciais que podem ajudar a equilibrar o sistema respiratório.

K. Elemento

Ar

L. Nota Musical

Fa

M. Postura Yoga
N. Material de Apoio

Livro Amar e Ser Livre, Sri Prem Baba

Filme “O Profeta”, Kalil Gibran

Capacidade de Amar e Ser Amado

Chakra Cardiaco estimulado pela maternidade : “Este exercício de reconstruir a mãe interna é muito libertador, pois podemos nos basear ou não nas qualidades das nossas mães reais. Podemos nos dar o que nossas mães não puderam, ou não conseguiram, provavelmente porque também não receberam. “

https://www.personare.com.br/que-mae-voce-e-para-si-mesma-m514

https://www.personare.com.br/cuide-do-outro-sem-esquecer-de-voce-m2173

https://www.personare.com.br/equilibre-sua-energia-masculina-e-feminina-2-m3279

EXERCICIOS

A forma simbólica de convidar o elemento ar enquanto você faz estes exercícios é acender um incenso. Movimentos

Respirações profundas, lentas e longas. O ritmo da respiração, combinado com o pulsar do coração, começa a nos elevar. Tornando-se leve, livre, receptiva e iluminada, a “dança do ar” expande o coração. Use música suave, gentil e pacífica com uma qualidade edificante e expansiva. Nós dançamos o coração com a vibrante cor verde. Através da fluidez de movimento e sons que movem o corpo, a mente e o espírito de forma espontânea, podemos entrar no processo de cura do coração por re-descobrindo o amor-próprio.

Dançar o chakra do coração é mover-se com alegria e compaixão que se reflete nas danças da Espanha antiga, Egito e China. Muitas destas danças usam os movimentos exagerados do braço a girar suavemente em estados profundos de harmonia alegre. Outras danças da China simbolizam o equilíbrio com movimentos miméticos que expressam a união do céu e da terra.

Ao ir mais fundo no coração, exploramos  os apegos que estão causando desequilíbrios neste chakra. Pode ser, por exemplo, uma ação passada a qual nós não conseguimos nos perdoar;  um ressentimento de alguém; ou uma morte ou perda a qual ainda não fizemos o luto. a experiência é levada suavemente até o coração, a consciência emerge e a sua energia se move através do corpo. Como o corpo detém apegos em um nível celular, podemos usar o aspecto físico da dança para iniciar o processo de liberação, do desapego que nos leva até a essência de Anahata, um coração que está curado e ileso.

Encontrando o seu Centro

No Chakra Básico tivemos o conceito de aterramento. No Chakra do Coração, aprenderemos a nos centrar. Quando estamos centrados, estamos profundamente ligados ao nosso centro interno, à nossa essência. Esta é uma prática maravilhosa quando você sente que muitas influências externas (pessoas, tempo, demandas, etc) estão afetando os seus níveis de energia e retirando você do seu centro ou equilíbrio. Retornar para seu próprio centro pode ajudá-la(o) a se concentrar, voltar ao seu próprio ritmo e encontrar uma forma de avançar mais harmoniosa para você.

Exercício para se centrar

Neste exercício, se possível, fique com os pés na terra, areia, grama ou em qualquer lugar aonde você se sinta conectado com a natureza. Se você só pode fazer isso dentro de casa, visualize-se de pé, em um cenário da natureza. Mantenha os braços ao seu lado e aponte seus dedos para baixo. Visualize todas as energias que não são suas deixando seu corpo e seu campo de energia. Veja essas energias fluindo, através de seus dedos, para baixo e para fora em direção à terra, aonde elas podem ser transformadas. Quando lhe parecer que toda a energia foi liberada, sacuda as mãos. Você pode mantê-las sob uma torneira aberta ou mergulhá-las na água. Para finalizar, crie um círculo de proteção em torno de si com as mãos e visualize a luz branca. Descanse por alguns momentos com as mãos em posição de oração em seu coração. Respire em seu centro.

Trabalho de respiração

Cada dia desta semana, você pode investir entre 5 e 10 minutos focalizando sua respiração. Praticada regularmente, a respiração consciente é calmante e relaxante. Quando nós respiramos conscientemente, nós nos tornamos plenamente presentes em cada momento.

  • Sente-se confortavelmente em uma posição equilibrada com a coluna vertebral ereta.
  • Descanse as mãos em seu colo
  • Feche os olhos e concentre-se em seus sentimentos no seu corpo e observe todas as sensações
  • Relaxe seu corpo
  • Relaxe seu rosto e a mandíbula
  • Sinta o espaço atrás de seus olhos se soltar e relaxar
  • Relaxe  todos os locais de tensão no seu corpo enviando energia através da respiração para essas partes
  • Concentre-se em sua respiração tornando-se mais consciente do espaço interior

O Perdão

Se você ainda não consegue perdoar aqueles que te fizeram mal, não se culpe. Ainda não chegou o momento. O perdão é uma flor que nasce de sementes da compreensão. Quando eu lhe digo para procurar identificar as suas contradições; quando digo para se mover em direção à transcendência das mágoas e dos ressentimentos, ou quando digo para esvaziar o seu coração da discórdia, eu estou lhe dando direções, apontando caminhos. E esses caminhos te levam ao plantio das sementes da compreensão. Mas quando elas irão florescer, não é possível determinar. “Perdão é sinônimo de liberdade, ele é o que possibilita a liberação. É uma tremenda libertação ter seu coração aberto, e é uma sensação de grande aprisionamento ter seu coração fechado. Um dos principais carcereiros dessa prisão é o orgulho. E junto dele está o medo. Porque muitas vezes é extremamente humilhante ter que reconhecer o quanto você está magoado; o quanto está ressentido com a atitude do outro. E isso faz de você um prisioneiro.” Sri Prem Baba

Dizer sim quando o outro diz sim. O apego ao sofrimento.  Este que esta pactuado com o sofrimento não é você.

Tenho que perdoar?

Por que não consigo perdoar?

O Eu verdadeiro – que às vezes eu também chamo de Eu maior, Eu divino – é a vida em si mesmo. Ao se tornar consciente dessa vida que está se manifestando nesse corpo, você percebe que essa vida é única. É a vida que se manifesta aqui, que se manifesta ali, que se manifesta acolá, em tudo, tudo. Assim esses mistérios começam a se desvendar, porque para a vida que te habita – ou para Deus que te habita – não tem mistério. Assim é. Aí você pode desfrutar paz, pode desfrutar bem-aventurança. A falta de paz, a falta de alegria e de harmonia são exatamente consequências da confusão a respeito da sua verdadeira identidade. Essa confusão a respeito da sua identidade te faz, muitas vezes, mover-se no mundo cegamente. Existe uma identidade real, mas você precisa encontrar e, para encontrar, você precisa buscar e enquanto você não encontra você acredita ser muitas coisas; são muitas as partes da personalidade com as quais você se identifica e essas diferentes partes da personalidade desejam coisas diferentes; caminham, às vezes, em direções opostas, o que faz com que você muitas vezes, sinta-se querendo e não querendo a mesma coisa no mesmo momento; você é capaz de amar e odiar a mesma pessoa, no mesmo momento. Uma parte de você quer ficar aqui, outra parte de você quer ficar acolá e assim por diante. Estou sendo muito simplista em dizer que são só duas partes porque muitas vezes nos sentimos sendo esquartejados; muitas diferentes partes indo para diferentes direções, o que te faz muitas vezes sentir sem condição de realizar qualquer coisa, porque as contradições são tantas que te paralisam. Você realmente não sabe para onde ir, porque você deseja ir para a esquerda e deseja ir para a direita, às vezes no mesmo momento. Por exemplo: Pergunta: Querido Prem Baba, como sair de uma paralisação? Tudo o que eu faço não dá em nada. Preciso de uma luz para que eu possa caminhar. Sri Prem Baba: Quem está vivendo essa experiência pode estar tendo que lidar com muito sofrimento, porque essa paralisação alimenta muitas partes da sua personalidade com as quais você está identificado. Por exemplo, pode alimentar a crença de que você é impotente, de que você não é capaz, de que você não merece, de que você é excluído, de que você é abandonado e que você é um rejeitado; rejeitado do Mistério, rejeitado, inclusive, por Deus. Na verdade, essa paralisação está relacionada com essa confusão a respeito da sua identidade; uma confusão que é alimentada por sentimentos reprimidos. Sentimentos suprimidos no sistema paralisam o movimento; a pessoa não consegue realmente fazer aquilo que ela deseja fazer. Às vezes essa paralisação é interpretada como preguiça e a preguiça é interpretada como um aspecto moral, como um vagabundo que está fazendo corpo mole. Mas, na verdade, ela não faz porque não consegue; os sentimentos suprimidos paralisam-na a ponto de chegar ao extremo de ela ter fome e não conseguir pegar a comida que está ali para ela comer.
Sri Prem Baba

A prosperidade é uma linguagem esquecida, assim como outras dimensões do Ser. Pelo fato de estarmos completamente desconectados do nosso Eu real, nós desconhecemos certas dimensões dele. Desconhecemos a ponto de acharmos estranho, coisas como: prosperidade, verdade, justiça, saúde, vida. Achamos estranho o amor desinteressado, êxtase, confiança, que são dimensões do Ser, expressões do Divino. Prosperidade e abundância são Manifestações divinas, mas que em algum momento tornaram-se estranhas para o ser humano, que aprendeu muito bem a linguagem da pobreza.
Sri Prem Baba

« O relacionamento com o outro, é somente uma passagem. O outro é uma ponte para que você possa se voltar para o seu coração. Essa felicidade você somente encontra em Deus; você encontra dentro do seu coração. Mas, eu tenho visto muitos dos meus amigos, viciados no outro. E esse vício te lança ao sofrimento irremediavelmente. Porque, em algum momento, dentro desse estudo que é o relacionamento, você se perdeu. Você ficou identificado com algum aspecto do seu psiquismo, da sua criança ferida, projetando os pais no outro, sem nenhuma consciência disso. Assim, você desperdiça a vida tentando transformar o outro, e fazer dele aquilo que você acredita que ele tem que ser. Isso é impossível.

O outro, durante uma fase da jornada, é o seu mestre. Porque está iluminando muitos campos do seu corpo emocional que ainda estão em negação, e que insistem na guerra; insistem em dominar e fazer do outro o seu escravo; insistem em machucar e ser machucado. Então, durante uma fase, o outro tem esse poder de te ajudar a perceber que existem pactos de vingança e pontos de ódio que precisam ser iluminados. Conforme esses pontos vão sendo iluminados e transformados, você começa a desvendar o amor e a ter uma relação íntima e amorosa com o outro.”
Sri Prem Baba

Visão geral do caminho dos chakras